Terça-feira, 26 de Junho de 2012

Tenho defendido e tentado provar que, face à situação actual, a melhor e mais provável solução para a crise do euro seria a saída, o mais rápido possível, dos países periféricos - no limite acredito que a própria existência do euro deixaria de fazer sentido.

No entanto deixei sempre claro que esta não é a única solução. Eu próprio não estou certo que seja a melhor solução de todas, do que estou certo é que a melhor solução das aparentemente possíveis e claramente melhor do que a que tem estado em cima da mesa - austeridade, desvalorização interna, etc.

Nomeadamente, não assumi como aparentemente possível a hipótese de uma convergência política e económica da Europa para algo como uns Estados Unidos da Europa (EUE). Apesar disso, deixei sempre uma ressalva no que respeita a esta solução que considero ser a única que pode "substituir" a do fim do euro.

Mas se por um lado, os governantes europeus parece não quererem desistir da moeda única, por outro, ainda não deram indicações válidas de que a queiram completar politicamente e economicamente, antes pelo contrário.

Proibir os governos de terem défice elevados ou criar mecanismos para emprestar dinheiro aos países em dificuldades a troco de austeridade não é a integração de que estamos a falar quando se fala em completar a zona euro, não é suficiente e os acontecimentos recentes são prova disso mesmo. O mundo inteiro já percebeu isso - senão veja-se a reacção imediata ao anuncio do empréstimo a Espanha: juros a subir para máximos históricos.

Então e será que uma verdadeira convergência para uns Estados Unidos da Europa é possível?

Harman Van Rompuy (Presidente do Conselho Europeu) publicou hoje um relatório de 7 páginas algo surpreendente - Towards a genuine economic and monetary union. O relatório foi preparado em cooperação com Durão Barroso, Jean-Claude Juncker e Mario Draghi, e aborda a possibilidade de convergência para uns Estados Unidos da Europa de uma forma simples mas bastante linear.

Ora um problema é que os alemães odeiam esta hipótese - ou pelo menos parece. E até às eleições na Alemanha em Outubro de 2013 pouco deverá mudar - o problema é que isso é daqui a mais de 1 ano o que pode ser tarde (mesmo muito tarde) - e ninguém sabe se Merkel não vence mesmo as eleições. E mesmo outros países como a Holanda, Itália, Espanha ou França (países do euro grandes e/ou ricos) não sei até que ponto estarão dispostos a dar este passo. A questão da soberania seria também não só muito importante para os políticos como para as próprias populações.

Temos, portanto, os organismos europeus de um lado e os governantes do outro? Parece que sim; e o poder ainda está do lado dos governantes...

 

PS: Merkel, provavelmente em resposta ao relatório de Rompuy, terá dito hoje numa reunião dos partidos do governo alemão que, enquanto for viva, a Europa jamais terá a sua "dívida partilhda" (portanto nada de eurobonds ou algo ainda mais integrado).

 



publicado por Mais Um Economista às 13:07 | link do post | comentar

Posts recentes

Previsões, revisões, desi...

O Reestruturador

Há recessões e Recessões

O Mundo ao Contrário

Novas previsões do FMI

Reestruturar, Reestrutura...

Pagar para Emprestar Dinh...

A Mal Comportada Islândia

A Desvalorização Cambial ...

Wolfson Economics Prize

Mais Um Economista

Subscreva para receber os posts no seu email

Posts mais comentados
comentários recentes
Apesar de ser expectável que as previsões não este...
Não era de esperar que as previsões falhassem?
"O que está em causa não é o tamanho exagerado do ...
Este homem é tão burro!
subscrever feeds
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Tags

todas as tags

links
arquivos

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012