Quarta-feira, 4 de Julho de 2012

Em resposta a alguns comentários recentes, aqui vai um primeiro post.

Não foram os défices públicos que nos trouxeram até esta crise. Pelo contrário, os elevados défices e o crescimento das dívidas públicas no mundo todo foram consequência da crise. 

Para quem não concorda basta olhar para os casos como a Espanha ou a Irlanda que tinham as contas públicas mais do que em ordem. E mesmo Portugal tinha, em 2007, uma dívida pública de apenas 68% (apenas mais 3 pp. que a Alemanha).

Ora, em consequência da crise, isso sim, e uma vez que a primeira resposta, ao nível global, foi uma resposta no sentido correcto - aumento da despesa para reanimar a economia - aí sim os défices foram significativos, como tinham de ser. O problema veio pouco depois, quando os políticos das principais economias do mundo acharam que a crise era um problema já ultrapassado. Isto, aliado a uma preocupação crescente e infundada com as dívidas públicas levou os governos a cortarem cedo demais os apoios à economia e a recuperação esfumou-se. (Vejam este post com a história das conclusões das reuniões do G20 desde o inicio da crise

E sim, a preocupação com as dívidas públicas era e é infundada - senão recorde-se que os Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha, apesar de terem défices e dívidas públicas bem mais elevadas que em 2007, têm hoje as taxas de juro a níveis nunca vistos de tão baixos que são. E apesar dos países do Sul da Europa terem visto os seus juros aumentar não podemos confundir as coisas. Os juros de Portugal e dos demais aumentam porque os mercado perceberam há muito tempo que o euro, assim como ele é hoje, não tem futuro. Portanto, no caso de um breakup do euro todos sabemos o que aconteceria.

Nomeadamente, ao nível das taxas de cambio, países como Portugal sofreriam fortes desvalorizações contra fortes valorizações em países como a Alemanha, e podíamos mesmo ter um default parcial das dívidas de países como Portugal. É isso que os mercado temem e daí, nos últimos anos, as taxas de juro terem divergido tanto entre países como Portugal e países como a Alemanha. O que está em causa não é o tamanho exagerado do governos em Portugal ou na Grécia (que só por acaso é tão grande como na Alemanha). O que está em causa é Portugal como economia. Economia essa que dentro da zona euro actual não tem futuro e, como sabemos, a dívida externa de Portugal, tanto pública como privada, paga-se com o que a economia produz.

 



publicado por Mais Um Economista às 10:05 | link do post | comentar

2 comentários:
De SFF a 6 de Novembro de 2012 às 18:16
"O que está em causa não é o tamanho exagerado do governos em Portugal ou na Grécia (que só por acaso é tão grande como na Alemanha). O que está em causa é Portugal como economia. Economia essa que dentro da zona euro actual não tem futuro e, como sabemos, a dívida externa de Portugal, tanto pública como privada, paga-se com o que a economia produz."
Então como explicar o decréscimo da taxa de juro da dívida pública que tem vindo a ocorrer ultimamente, tendo em conta que o ajustamento que está a ser feito em portugal está a encolher o pib, e portanto, a diminuir a capacidade de pagar as dívidas externas?


De APC a 6 de Julho de 2012 às 11:36
Concordo no facto da divida ter disparado com a crise e a partir de 2008.

Contudo, acho que ficaram pontos importantes por referir;

De acordo com, http://ec.europa.eu/taxation_customs/taxation/gen_info/economic_analysis/tax_structures/index_en.htm, a carga fiscal em Portugal evoluiu de 32% em 1995 para 37% em 2008. O estado, arrecadou cada vez mais receitas ao contribuinte neste espaço temporal...

Ademais, apesar de em 2008 a divida em relação ao PIB ser de "apenas" 71.6% (http://www.google.pt/publicdata/explore?ds=ds22a34krhq5p_&met_y=gd_pc_gdp&idim=country:pt&dl=pt-PT&hl=pt-PT&q=divida+publica), este ponto, segundo Rogoff/Reinhart, no estudo que fizeram sobre crises económicas e endividamento público, é precisamente aquele que torna o crescimento económico algo de improvável ou mesmo impossível.

Mais a mais, se olharmos para o crescimento da dívida em termos relativos e a compararmos com os outros países da Europa, o crescimento da dívida portuguesa foi bastante superior à média europeia...

Não que eu discorde que a crise que eclodiu em 2008 tenha tido um papel preponderante para atingirmos níveis insustentáveis de dívida soberana, no entanto, o espiral que nos levou a isto começou muito antes, e nem tento enquadrar a teoria da utilidade marginal ao investimento público que foi feito nesse período, foi tudo desbaratar sem qualquer propósito ou planeamento, e os recursos devem ser gastos com ponderação e não de forma aleatória e arbitrária como defendem muitos.




Comentar post

Posts recentes

Previsões, revisões, desi...

O Reestruturador

Há recessões e Recessões

O Mundo ao Contrário

Novas previsões do FMI

Reestruturar, Reestrutura...

Pagar para Emprestar Dinh...

A Mal Comportada Islândia

A Desvalorização Cambial ...

Wolfson Economics Prize

Mais Um Economista

Subscreva para receber os posts no seu email

Posts mais comentados
comentários recentes
Apesar de ser expectável que as previsões não este...
Não era de esperar que as previsões falhassem?
"O que está em causa não é o tamanho exagerado do ...
Este homem é tão burro!
subscrever feeds
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Tags

todas as tags

links
arquivos

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012