Quinta-feira, 28 de Junho de 2012
Num post recente sobre o Reino Unido (Reino Unido - recessão ou depressão?) disse que não seria possível fazer uma análise da mesma natureza para Portugal - ou seja, comparar a crise actual com as crises do passado. E é verdade que não podemos fazer uma comparação tão aprofundado como a que o NIESR fez para o Reino Unido porque não temos dados para antes de 1960 e que só temos dados anuais até 1995.
Mas, arriscando um pouco, aqui fica a análise possível. Abaixo está um gráfico com a evolução do PIB de Portgal nas cinco recessões que ocorreram desde 1960. No gráfico, o ano 0 é o pico que antecedeu a respectiva recessão (portanto marca o início da recessão). Resumindo, as linhas do gráfico mostram a variação do PIB face ao pico anterior, ou seja, face ao ano 0. Por exemplo: em 1976 (ano +2 da recta vermelha) o PIB estava cerca de 3% abaixo do valor de 1974.

 

 Portugal - Recessões e recuperações desde 1960

 
Ora, sem saber ao certo o que se passou na economia portuguesa antes de 1960, arriscaria dizer que estamos a atravessar a pior crise de sempre no nosso país. E diria mais: estamos a atravessar uma depressão profunda - talvez a primeira da nossa história.
Reparem que segundo as previsões do FMI, apenas em 2017 estaremos de novo ao nível do que estávamos em 2007, no início da crise - são 10 anos. E não nos podemos esquecer que mesmo em 2017 estaremos ainda muito abaixo duma tendência de crescimento histórica - relembrem Portugal vs. Argentina II.
Não há comparação possível com as recessões que atravessámos nos últimos 50 anos. Em três delas a economia superou o pico anterior à recessão em menos de 2 anos. Mesmo após 1974, a economia demorou menos de 3 anos a recuperar.
Outra prova de que estamos numa severa depressão são os níveis de desemprego. Nem no conturbado período do final dos anos 70, principio dos anos 80 tal tinha acontecido. Mesmo nesse período a taxa de desemprego apenas superou ligeiramente os 9% (em 1985), hoje caminhamos para uma taxa de desemprego na ordem dos 16% no final deste ano.
 
Portanto estamos numa depressão, depressão essa que podia ter sido evitada. Mas se é verdade que nada há fazer em relação ao passado, o futuro está nas nossas mãos (deles). A economia portuguesa não tem de seguir este caminho, não temos de esperar mais 5 anos para estarmos economicamente em 2007. Não teremos de nos lembrar para sempre deste período como "A Nossa Grande Depressão"!
E, a meu ver, temos duas soluções: 
1) +++ rápida, ++ possível e + arriscada → saída do euro
2) - - - rápida, - - possível e potencialmente insuficiente  → convergência para uns Estados Unidos da Europa
 


publicado por Mais Um Economista às 16:37 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Posts recentes

Previsões, revisões, desi...

O Reestruturador

Há recessões e Recessões

O Mundo ao Contrário

Novas previsões do FMI

Reestruturar, Reestrutura...

Pagar para Emprestar Dinh...

A Mal Comportada Islândia

A Desvalorização Cambial ...

Wolfson Economics Prize

Mais Um Economista
Posts mais comentados
comentários recentes
Apesar de ser expectável que as previsões não este...
Não era de esperar que as previsões falhassem?
"O que está em causa não é o tamanho exagerado do ...
Este homem é tão burro!
subscrever feeds
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Tags

todas as tags

links
arquivos

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012